Abrindo o mês do orgulho LGBTQIA+, Bruxa Cósmica mostra resistência com clipe “Boicote”

A dançarina, performer e compositora Bruxa Cósmica – nascida Victórya Devin, mineira de Governador Valadares – chega ao segundo single de sua carreira musical com o petardo “Boicote”. Um manifesto subversivo e transgressor, a nova música dá voz à luta LGBTQIA+, ao corpo político e à ininterrupta perseguição aos grupos trans e homoafetivos. Ela, reconhecida internacionalmente como expoente da cultura Ballroom e dona de uma
identidade peculiar no quesito performático, faz do Vogue seu grande aliado na composição musical, puxada para os estilos urbanos da house music, vogue beat e grime, com vozes abertas e efeitos pontuando a mensagem na letra. “Boicote” trata das inúmeras formas de sabotagem aos grupos execrados socialmente e funciona como ferramenta de insurgência ao status quo – este que exclui de seu sistema os negros, não-binários, trans, indígenas, religiões de matriz africana e tantos outros.

foto
Reprodução

Para o videoclipe, Bruxa Cósmica trouxe exatamente todas essas representatividades com a participação de Luky Roh, father na Kiki House Império e referência do estilo chant (rima e freestyle) no Ballroom brasileiro, e elenco formado por um grande time de representantes dessa cultura no país, como Makayla Legendary (mother na Kiki House Império), Irmãs Brasil (gêmeas da Casa de Cosmos), PatFudyda e Gabriel (filhes da Kiki House of Mamba
Negra), Juliete (mother na Casa de Cosmos) e Bassetuda (madrinha da House of Império). Com essas participações, a mensagem fala alto, grita: cada corpo importa.

A estética bélica do vídeo é para dar ênfase aos “guerrilheiros da arte”, constantemente quebrando preconceitos, combatendo a mentalidade fascista e preconceituosa que paira sobre nós. E é nos detalhes que se percebe a essência de “Boicote”: a bandeira brasileira usada como balaclava, o tanque de guerra que serve de cenário, o figurino e a coreografia atrevidos, a serpente negra e Zé Pilintra que denotam a proteção espiritual da Bruxa.

Boicotar os boicotadores é o Grand Prize neste trabalho – simbolizado pelo troféu que Bruxa segura em uma das cenas mais impactantes do clipe. “Boicote” é para dançar sem pudor em cima da opressão, quebrar preconceitos, trazer a liberdade de volta, ser livre e deixar que os outros sejam também.

foto
Reprodução

Sobre:

Bruxa Cósmica é Victórya Devin (23, Governador Valadares (MG)), performer, coreógrafa, cantora e compositora, cursando Arte Corporal pela UFRJ. Foi nomeada a primeira Legendary Mainstream da América Latina pelo Icon José Xtravaganza, father do coletivo House of Xtravaganza, fundado em Nova York, em 1982, e coreógrafo da mega turnê Blond Ambition de Madonna. Victórya representa a House of Xtravaganza no Brasil e América Latina como Princess desde 2020. Referência da cultura Ballroom no Brasil, a multiartista foi uma das pioneiras ao trazer as batalhas de Vogue para o Rio de Janeiro com o evento “Conferência das Bruxas”, em 2016, e é co-fundadora do Coletivo Casa de Cosmos, também na capital carioca. Entre seus trabalhos como dançarina estão participações no programa Amor e Sexo, da Rede Globo, na última temporada (2018) e bailarina solo nos shows de Fernanda Abreu desde 2016 até o presente. Coreografou e performou para marcas como AMARO, Nike x Sacai, Zattini, Freddy Wear, Yes I am, Garnier Nutrisse e outras, além de ter estrelado a campanha global do Moto G9, da Motorola, em 2020. Participou de clipes de Ivete Sangalo, Gilsons, Ludmilla, Xamã, Luiza Case, Duda Brack e Ney Matogrosso, Paulo Ho e Letrux, Valeska, Heavy Baile e Aramà. Foi vencedora em mais 20 batalhas de Voguing no Brasil, em competições como Gaymers Ball, Ebony Ball, Revlon Ball, Voguenic Ball e Deck Nights. Em 2020, lançou seu primeiro single, “Céu Vermelho”, com o qual iniciou a carreira de cantora e compositora. Com sua produção autoral, quer expandir a cultura Ballroom no Brasil, utilizando as influências de Vogue Beat, Club Music e Rock.

 

Deixe uma resposta