Representatividade racial e LGBTQIA+ estão presentes em ficção científica

Representatividade LGBTQIA+, diversidade racial, avanço científico e tecnológico, um mundo comandado por um ditador, mutação genética e guerra pelo poder. Esses são os principais pontos que envolvem a distopia Elegidos, da escritora cearense Anna Andrade.

foto
Reprodução

Com uma nova ordem mundial e elementos que vão cativar os fãs do best-seller Jogos Vorazes, a autora apresenta um cenário futurístico em que o perigo e o mistério estão sempre à espreita. Elegidos conta a história de Frederico Alves, um jovem pobre com habilidades extraordinárias que concilia três empregos e ainda cuida da avó com Alzheimer.

Vivendo em uma possível guerra entre o tirano Presidente da Área 90, Edgar Blake e o Leste Sombrio – área marginalizada e representada pela oposição ao poder vigenteque poderia ser mais um dia normal de trabalho, muda completamente a vida de Frederico.

“Em um cenário caótico, “Elegidos” é repleto de lutas, fomenta um experimento social, trabalha uma relação de amizade, constrói e desconstrói julgamentos pessoais e nos lembra que sempre há alguma paz na desordem.” (Anna Andrade)

Este livro, que será uma trilogia, vai muito além do que uma simples distopia, o foco principal é trazer a representatividade negra e LGBTQIA+ para combater a escassez desse debate nos livros de ficção científica. Com um final surpreendente, Anna Andrade faz os leitores refletirem como os avanços tecnológicos podem mudar a vida do homem, ao mesmo tempo que o ser humano torna-se mais perverso e sedento por poder.

Apaixonada por romances com aventuras, a autora é famosa no Wattpad e alcançou leitores de mais de 13 países, como: Estados Unidos, Canadá, Portugal, França, Alemanha, Reino Unido, entre outros.

foto
Reprodução

Sobre a autora: Anna Andrade é uma cearense apaixonada por romances com aventuras. Adora debater sobre filmes, séries e livros em seu site, Bela Distopia. Escrever sua opinião não foi o suficiente para saciar seu amor pelas palavras, então, embarcou na carreira literária durante a faculdade de Direito, quando começou a postar suas histórias na plataforma Wattpad. Nessa jornada teve leitores de 13 países, incluindo Brasil, Peru, Estados Unidos, Canadá, Portugal, França, Alemanha, Reino Unido, Irlanda, Angola, Moçambique, Namíbia e Índia.

2 thoughts on “Representatividade racial e LGBTQIA+ estão presentes em ficção científica

Deixe uma resposta