AMOR NATURAL: Série LGBTQIA+, preta e periférica, idealizada por Kelson Succi e Vinicius Teixeira, abre financiamento coletivo para sua realização

Uma série ficcional afirmativa, LGBTQIA+, preta e periférica, divida em cinco episódios que contam uma história de amor moderna e afrofuturista entre os protagonistas: Andrei (Kelson Succi), Guilherme (Vinicius Teixeira) e Maria Júlia (Érica Ribeiro). “Amor Natural” é o novo projeto audiovisual do criador do selo “Cuidado com Neguin”, o ator e dramaturgo carioca Kelson Succi, que acaba de lançar um crowdfunding no Benfeitoria para viabilizar a produção da série, que já conta com o apoio do Sesc Rio, por onde a primeira temporada será exibida.

foto
Reprodução

A previsão de estreia é no primeiro semestre e os episódios terão cerca de cinco minutos. A trama envolve relações instantâneas e profundas, arte, violência, poesia, futebol, racismo, preconceito, a efemeridade dos relacionamentos pela internet, música e amor. O cenário se conecta entre o Complexo do Alemão e Tijuca, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Tudo isso conduzido sob uma narrativa assertiva, documental e romântica com roteiro escrito por Kelson Succi com colaboração de Vinícius Teixeira e Erica Ribeiro. Succi também assina a direção. Ainda integra o elenco o ator Reinaldo Junior e ainda em abril, “Amor Natural” fará uma convocatória pública para encontrar uma atriz trans e negra para completar o time de atores.

O financiamento coletivo

Apesar de já contar com o apoio do Sesc Rio, a produção de “Amor Natural” constatou que, para realizar a série dentro dos protocolos de segurança necessários por conta da pandemia de covid-19, com o mínimo de qualidade técnica em equipamentos e ajuda de custo para a equipe, seria necessário o financiamento coletivo para cobrir despesas de produção tais como testes de covid, EPIs, transporte, alimentação, locações, equipamentos, figurino, arte, caracterização, finalização e muito mais.

– Reconhecemos que não são tempos fáceis, mas a continuidade da produção artística nesse momento é essencial, primeiro para o entretenimento, e também para proporcionar respiro financeiro aos profissionais do setor, que já vinha sofrendo problemas antes da pandemia. No nosso caso, sendo um projeto independente, afirmativo e que envolve história e profissionais LGBTQI+, pretos e periféricos, esse incentivo financeiro é ainda mais precioso – explica Kelson Succi.

foto
Reprodução

Para fazer a sua contribuição, acesse a página da vaquinha em: https://benfeitoria.com/amornatural

A série

A série “Amor Natural” foi idealizada por Kelson Succi – ator e criador da peça sucesso de crítica “Cuidado com Neguin” – e por Vinicius Teixeira. O projeto também é a nova aposta do “Movimento de Arte Preto e Favelado”, baseado no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, uma potência criativa, coletiva e colaborativa que visa gerar protagonismo para corpos pretos, periféricos, LGBTQI+, contra a opressão do padrão eurocêntrico estabelecido socialmente.

A história se passa no Rio de Janeiro. Andrei é morador do Complexo do Alemão e Guilherme, morador da Tijuca. Eles se conhecem num aplicativo de “pegação gay”. E o que era para ser apenas uma “fast foda”, se torna um encontro profundo repleto de identificações, poesia e afeto. Após se conhecerem, eles entendem que estão apaixonados. Porém, os dois precisam lidar com a realidade do mundo, que é diferente da estabelecida entre eles na intimidade.

foto
Reprodução

– De forma artística, poética e quase lírica, “Amor Natural” expõe o racismo, o machismo, a homofobia e a transfobia, que atravessam as relações cotidianas e amorosas. A série chega como uma reinvenção por meio do audiovisual, com novas parcerias e a possibilidade de continuarmos provocando, criando, contando e documentando as nossas histórias – reflete Kelson Succi.

Ao ambientar os acontecimentos na Zona Norte do Rio e com uma proposta para o YouTube, a série pretende alcançar espectadores favelados, pretos, LGBTQIA+, suburbanos e fluminenses, chegando até mesmo em outras periferias pelo Brasil.

– Nossa intenção é que essas pessoas vejam as suas histórias e se sintam representadas – conclui Succi.

foto
Reprodução

Colabore! Faça este projeto acontecer.

SOBRE KELSON SUCCI: Premiado no Grande Prêmio de Cannes (2019) com Bluesman, de Baco Exu do Blues, Kelson Succi é cria do Complexo do Alemão (RJ). Diante da falta de oportunidade, pela falta de representatividade e uma vontade enorme de protagonizar uma história preta, potente e bela, Kelson idealizou, escreveu, roteirizou, atuou e dirigiu a obra “Cuidado com Neguin”, sucesso de bilheteria em duas temporadas no Rio de Janeiro (Casa Rio 2018/ Memorial Getúlio Vargas 2018) e foi destaque do “Dramaturgias 2” (2019) do Sesc Ipiranga em São Paulo. Em 2017, foi artista convidado da People’s Palace Projects para integrar a residência “Creative Lab”, em Londres, desenvolvida em parceria com a Queen Mary University Of London. Protagonista do premiado longa “Selvagem” (Pietá Filmes – 2019), dirigido por Diego da Costa, Kelson Succi foi indicado na categoria “Melhor Ator” no Festival Guarnicê. Em 2019, foi artista convidado do festival Arte Core (MAM – Rj), onde realizou a obra “Isso Não É Uma Obra do Jackson Pollock” uma instalação performática em um carro fazendo crítica a tragédia dos 80 tiros. Estudou no Teatro O Tablado (2010 – 2016) e no Coletivo Brecha (2017). Protagonizou, junto com Vinicius Teixeira, o último episódio da série “Cinema de Enredo”, dirigida por Luiz Antonio Pilar (Lapilar Produções, 2019). Foi ator convidado em “Filhos D Medea”, peça dirigida por Marco André Nunes (Sesc Copacabana 2019). Fez parte do núcleo de protagonistas da série “Fim De Comédia” (2020), que teve suas gravações interrompidas por causa da covid-19. Foi ator convidado em “Álbum em Família” (Raccord Produções, 2020), longa-metragem filmado em casa e dirigido por Daniel Belmonte. Em 2020, foi convidado para apresentar o festival de música brasileira Coala Virtual, entrevistando grandes nomes da música brasileira como Gilberto Gil, Novos Baianos, Gilsons, Rico Dalasam, Mc Tha, Nego Bala, Mariana Aydar e Mestrinho.

SOBRE VINICIUS TEIXEIRA: Ator, cantor e produtor, Vinicius Teixeira protagonizou o longa “Turvo”, de Murillo Sued, filmado em dezembro de 2020 e com lançamento previsto para 2021. No momento, aguarda o início das filmagens da série “MALVIDAS”, da Netflix, onde interpretará Décio, e das filmagens do curta “NÓS QUE ESTÁVAMOS SOB O MESMO SOL”, de Caio Scot. Além disso, faz parte do elenco dos longas “A TORRE”, de Sérgio Borges (Interpretando Vinicius), “ANNA” de Heitor Dhalia (Interpretando Gregório) e “TRÊS VERÕES” de Sandra Kogut (Interpretando Caio) e das séries “CINEMA DE ENREDO”, protagonizando o último episódio ao lado de Kelson Succi e com estreia prevista para 2021 no Prime Box, “CARCEREIROS”, da Rede Globo, “FERAS” da MTV e  do núcleo protagonista das duas temporadas de “RIO HEROES” da Fox (Starchannel). Além disso, fez parte do elenco das novelas “Babilônia” e “ROCK STORY”,  da Rede Globo. Também esteve no elenco da série Teatro no ato, dirigida por João Falcão para o canal Arte 1. No teatro, escreveu, produziu e atuou no seu primeiro solo teatral “ADUBO”, muito bem recebido pelo público e pela crítica. Adaptou o texto de Fonte Ovejuna, espetáculo que também atuou e produziu ao lado da Fricta Cia. Fez parte do elenco do espetáculo “Gabriela”, de João Falcão, e por seu papel, ganhou o Prêmio Aplauso Brasil de 2017 na categoria ator coadjuvante e foi eleito o melhor ator coadjuvante do ano pela revista Drops Mag. Além disso, participou de outros espetáculos no eixo Rio – SP nos últimos anos.

SOBRE ÉRICA RIBEIRO: Érica Ribeiro é atriz, roteirista, figurinista e criadora de conteúdo. Formada pela Escola de Teatro Célia Helena, desde 2007 atua em diversos espetáculos, entre eles: “A Infinita Comédia”, direção de Ulisses Cohn, aprofundando-se na Comédia Dell ́art através de uma pesquisa de máscaras com Marina Quinan.  Participou das peças “O Santo Parto”, dirigida por Bárbara Bruno, “Bumba-Meu-Fusca”, dirigida por Ednaldo Freire, “Olerê! Olará”, direção de Dionísio Neto, entre outras. Em 2009 estreou no audiovisual com o longa-metragem “Estamos Juntos”, de Toni Venturi. É cantora e sob os cuidados de Claudia Noemi desenvolve técnicas vocais para teatro musical e canto popular. É formada em Cenografia e Figurino pela SP Escola de Teatro.  Como locutora e apresentadora, integrou o time de apresentadores do programa VVV Brasil e Acontece na Vevo da Vevo Brasil, direção de Julio Piconi. Desde 2015 integra o elenco principal da série “O Zoo da Zu”, direção de Fernando Gomes. Com participações ainda nas séries “Assédio”, de Amora Mautner. Integrou o elenco do musical jovem “Os Recicláveis”, de Toni Brandão e direção de Flavia Garrafa, “Livro de Ouro”, de Geraldo Rodrigues. Participou também dos filmes “A Comédia Divina”, de Toni Venturi, “Como Nossos Pais”, de Laís Bodanzki e da segunda temporada da série “PSI” também dirigida por Laís. Ainda no cinema participou do curta-metragem “Sample”, de Ana Julia Travia e dos filmes “Hebe”, de Maurício Faria e “Selvagem”, de Diego da Costa. Em 2020, assinou como uma das roteiristas da série “Casa da Vó”, da plataforma de streaming Wolo TV. Em seu canal do YouTube, vai trazendo com muito humor e sagacidade questões raciais e sociais.

SINOPSE:

“Amor Natural” se passa no subúrbio do Rio de Janeiro. Andrei é morador do Complexo do Alemão e Guilherme, morador da Tijuca. Eles se conhecem num aplicativo de pegação gay. O que era para ser apenas uma fast foda, se torna um encontro profundo repleto de identificações, poesia e afeto. No dia seguinte, que geralmente é estranho, eles entendem que estão apaixonados. Porém, os dois precisam lidar com a realidade do mundo, que é diferente da estabelecida entre eles no apartamento. Vivendo em uma sociedade em que o amor e o romance se tornam secundários diante do prazer instantâneo das redes sociais, a série se propõe a ir contra a maré e resgatar o real sentido de amor natural, construindo relações de troca, honestidade e conexão.

One thought on “AMOR NATURAL: Série LGBTQIA+, preta e periférica, idealizada por Kelson Succi e Vinicius Teixeira, abre financiamento coletivo para sua realização

Deixe uma resposta