1ª Feira da Diversidade promovida pelo Governo da Bahia supera expectativas de público

Nesta quarta-feira (27), a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS), em parceria com outras organizações da sociedade civil, promoveu a “1ª Feira da Diversidade: Informação e Cidadania”. O evento, que ocorreu pelo turno da tarde, foi sediado no Casarão da Diversidade, em Salvador, e teve como objetivo ofertar serviços de cidadania para o público LGBTQIA+.

“A Feira surgiu com uma ideia da SJDHDS junto com alguns parceiros que atuam em rede com a gente. Nós percebemos que algumas pessoas, assistidas por eles e por nós, vinham com algumas demandas específicas que dificultavam inserir elas em alguns serviços de promoção de cidadania como, por exemplo, auxílios e benefícios sociais”, destacou o coordenador de Políticas LGBT da SJDHDS, Kaio Macedo.

Dentre as ações promovidas na Feira, o público presente teve acesso a questões relacionadas às documentações importantes para a efetivação de seus direitos. Emissão e atualização do Título de Eleitor, atualização do CadÚnico, retificação de nome social, segunda via de certidão, além do encaminhamento do RG, foram algumas das ações realizadas no evento.

1ª Feira da Diversidade promovida pelo Governo da Bahia supera expectativas de público
Divulgação

“Esse é um momento muito importante, porque nós não temos os órgãos todos os dias, com a paciência que nós estamos vendo aqui, com relação a esclarecimento da documentação e orientação para as pessoas. Até por isso, esse momento simboliza um processo de cidadania. Espero que essas pessoas saibam que essa casa está aberta para auxiliá-los e para preservar os direitos delas.” comentou Sandra Muñoz, coordenadora da Casa Marielle Franco, que acolhe mulheres e LGBTs na Bahia.

De acordo com a Coordenação de Políticas LGBT da SJDHDS, a proposta do projeto é estender os atendimentos no futuro e se tornar uma atividade que seja referência  para essas pessoas.

“A ideia é que a Feira seja permanente. Neste primeiro momento, foi um projeto experimental, por isso fechamos apenas um turno. Entretanto, no mês de maio, que é o mês da diversidade, faremos um dia completo de ações. Nós buscaremos novos serviços, novos parceiros e a ideia é que ela fique contínua, no mínimo, uma vez por mês. Até que, de fato, a gente consiga incluir toda população LGBT dentro dos programas e das ações que promovam a cidadania”, concluiu Kaio Macedo.

Com um atendimento que durou das 13h30 até as 17h30, a primeira edição da Feira contou com a presença de mais de 100 pessoas nesta tarde, superando a expectativa da organização.

“Achei a Feira muito importante, porque não são todos que possuem condições de pagar as taxas necessárias, até porque nós, travestis, somos marginalizadas e sofremos muito preconceito, como a dificuldade de arranjar empregos. Por isso, é muito importante encontrarmos um ambiente com um projeto como esse”, destacou Tereza Moreira.

O evento foi realizado meio da Superintendência de Direitos Humanos, Superintendência de Políticas sobre Drogas e Acolhimento a Grupos Vulneráveis, Programa Corra pro Abraço e Procon-BA; e das organizações Mães do Arco-Íris, Atração, ABGLT, Fórum da Bahia LGBT, Prepara Salvador, Chama para Dançar, Prefeitura Municipal de Salvador e Gapa-BA.

Deixe uma resposta