Como abrir mais oportunidades para mulheres trans no mercado de trabalho

Ingressar ou se recolocar no mercado de trabalho não é uma tarefa fácil, mas esse desafio é ainda maior para alguns perfis específicos de profissionais – como aqueles acima dos 40 ou 50 anos. Mulheres de qualquer idade também costumam sofrer preconceito, e, mais ainda as mulheres trans, que acabam sofrendo com essa barreira de forma dupla – por serem do sexo feminino e, além disso, por serem transgênero.

Esse grupo, assim como tantas outras minorias, além de sofrer todos os tipos de preconceito possíveis, são também excluídos socialmente em diferentes áreas, inclusive a profissional. Segundo relatório da Associação Nacional de Travestis e Transsexuais, 88% das pessoas acreditam que as empresas não estejam prontas para a contratação de profissionais trans. Além disso, de acordo com a mesma pesquisa, 20% da população transsexual está fora do mercado de trabalho.

Gisele Miranda, Mentora de Carreira & Liderança, destaca que esses profissionais muitas vezes acabam sendo excluídos de processos seletivos, demitidos sem motivo claro ou “colocados de lado” dentro das corporações. “Esse tipo de postura por parte da empresa, além de ultrapassada, é prejudicial não somente para o profissional, como também para a corporação como um todo.

Inclusive, se comprovado o preconceito devido à pessoa fazer parte do grupo LGBTQIA+, pode configurar transfobia, que assim como a homofobia, é crime no Brasil com a aplicação da Lei do Racismo (7.716/1989), e pode resultar em pena de 1 a 3 anos de prisão, podendo chegar a 5 em casos mais graves. O crime é inafiançável e imprescritível”, alerta a especialista, que também é autora do best seller “A coragem de se apaixonar por você”

“Junho não pode ser o único mês do ano em que se fala e se pratica a diversidade. Todos os outros 11 meses deveriam ter essa mesma referência, e esse mesmo esforço por parte das corporações e da sociedade como um todo, levantando essa pauta tão relevante e lançando iniciativas para combater o preconceito e tornar os ambientes de trabalho de fato inclusivos e diversos”, explica.

Mas é claro que datas como o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA + – celebrado em 28 de junho, que marca a luta pelos direitos do grupo em todo o mundo- ajudam a chamar a atenção para essas questões. “Devemos usar a data e o mês como uma oportunidade para debater esse tema tão relevante, e atuar todos os dias em prol da igualdade de direitos e oportunidades, tanto no mundo corporativo como em todas as situações sociais”, defende ela.

Pensando nisso, Gisele listou 4 atitudes a serem adotadas pelas organizações, para apostar de forma efetiva na diversidade e se opor a qualquer tipo de preconceito – seja de gênero, de idade, raça ou outro tipo:

Mudança de mindset da liderança

Uma medida que, a princípio parece simples e pouco inovadora, é a mudança de mindset da liderança de uma empresa. “Mudar a cultura organizacional e a filosofia da organização é o primeiro passo para abrir mais oportunidades para pessoas que têm dificuldades de entrar, se recolocar ou até mesmo se manter no mercado de trabalho por conta de sua idade, gênero ou orientação sexual, já que o exemplo tem que vir de cima”, comenta Gisele, sobre a inclusão de mulheres ou LGBTs.

Método de contração inclusivo

Open Hiring – ou seja, processo seletivo às cegas-, é uma métrica desenvolvida para que a forma de contratar seja cada vez mais justa e livre de preconceitos. Nesse modelo, avalia-se apenas as competências dos candidatos, sem a análise de nome, idade, gênero e outras informações pessoais. “Empresas em processo de contratação de novos funcionários podem optar por esse método inovador. Ele foi criado porque, instintivamente, os seres humanos acabam realizando escolhas pelas suas afinidades, que acabam sendo influenciadas por preconceitos sociais”, explica Gisele.

Pesquisa recente da BBC denominada “Inside Out London: o preconceito no mercado de trabalho”, concluiu que existe discriminação social por parte das empresas em processos seletivos. O estudo enviou múltiplas requisições de trabalho por pessoas hipotéticas com o mesmo currículo, mas com nomes diferentes: Mohamed e Adam. O nome Adam, ou seja, característico britânico, foi chamado para 12 entrevistas de emprego, enquanto Mohamed, ao que se remete a países no Oriente Médio, para apenas 4. “Nessa situação, ficou perceptível o preconceito contra mulçulmanos no mercado de trabalho londrino e, sendo assim, para diminuir preconceitos desse tipo, o processo seletivo às cegas é uma ótima alternativa”, sugere a especialista.

Programas de capacitação para indivíduos trans

Atualmente, conscientes sobre o preconceito e a exclusão, há empresas que oferecem bolsas e cursos de capacitação para minorias em pauta. “Esses investimentos são ótimas maneiras para uma tentativa de reparação sócio-histórica. No Brasil, a expectativa de vida de uma pessoa trans é de 35 anos. Essa minoria é o grupo mais afetado em relação a violência e discriminaçao identitária, o que atrapalha o crescimento profissional e pessoal dessas pessoas”, acrescenta a mentora. Ao oferecerem programas de capacitação para esses profissionais, as empresas colaboram no combate ao preconceito, ao auxiliarem esses indivíduos a se inserirem no mercado e, consequentemente, na sociedade.

Polícia de contratação de pessoas trans

Em um estudo realizado pela Crossland Employment Solicitors, nos Estados Unidos, 88% dos entrevistados revelaram que não existe uma política de inclusão em seus locais de trabalho. Isso tende a diminuir, de acordo com Gisele, com a adoção de uma política de contratação de pessoas trans, o que causaria também grande impacto social. “A empresa deve definir uma porcentagem mínima de profissionais trans em seu quadro de colaboradores, ou até mesmo abrir vagas próprias para essas pessoas”, finaliza Gisele.

Sobre Gisele Miranda Mentora de Carreira & Liderança, autora e palestrante, Gisele Miranda atua há 25 anos auxiliando mulheres a despertarem 100% de seu potencial na carreira e na vida pessoal, tornando-se protagonistas de sua própria história. Com formação em Psicologia Positiva, Neuro Linguística e Neurociências, tem como principal missão fomentar e empoderar as lideranças femininas nas organizações, guiando mulheres e empresas rumo ao sucesso. É autora do recém-lançado livro “A coragem de se apaixonar por você” (Editora Gente).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *