Em um karaokê, o espetáculo Bufão-Okê? usa paródias para zombar de opressores

LEIA TAMBÉM

- Publicidade -
- Publicidade -

Há mais de seis anos, o ator e dramaturgo ALE procura lançar um olhar contemporâneo para a bufonaria. Bufão-Okê? é resultado desse mergulho no comportamento desses personagens cômicos e traz para cena o arquétipo mais conhecido dos Bufões, o Bobo da Corte. Mas, diferentemente de seus pares medievais, seu bufão não está a serviço dos poderosos, mas das pessoas oprimidas por eles. Assim, ele lança olhares agudos sobre problemas cotidianos do Brasil. Por meio de parodias e esquetes, ALE interpreta seu personagem em uma temporada com estreia marcada para o dia 21 de julho de 2023, com sessões às sextas e sábados, na Galeria Dandi (Rua Barão de Tatuí, nº 19, 1º and, Santa Cecília, São Paulo). A casa estará aberta a partir de 19h30 para receber o público e a performance acontece às 20h30. No fim, o público também pode se juntar ao karaokê.

A história começa durante a pandemia, quando vários bufões ocupam um karaokê abandonado. Mas a polícia chega com truculência para tirá-los dali e todos os bufões somem, menos um, que se safou escondendo-se no sofá do espaço. “Esse trauma gera no Bufão o Transtorno Dissociativo de Identidade e ele passa a desenvolver diversas personalidades: ora um humano, ora bichos, ora sentimentos, ora objetos”, revela ALE.

Em cena, o Bufão está sozinho contracenando com as outras personalidades dele. “Ele ouve vozes e isso gera ação. Mas tudo isso precisa ser resolvido rápido porque a polícia pode chegar no espaço a qualquer momento”, completa o ator.

As paródias, criadas a partir de grandes sucessos da música brasileira – como “A Lenda da privatização”, “Bichos escrotamente extintos”, “Trabalho não é brincadeira de criança”, “Dormi na praça porque não tenho casa”, “Evidências ignoradas” -, geram gatilhos para esquetes curtas com temas comuns e caros ao Brasil: desmatamento, importância do SUS, o jeitinho brasileiro, o transporte público precário.

Bufão-Okê? dá voz, assim, aos grupos historicamente oprimidos por “piadas” em um espetáculo que gera um karaokê, e a Bufonaria é usada para reposicionar o humor. Por meio de um formato interativo, o público também pode soltar a voz.  O espetáculo-karaokê aposta nessa figura medieval para questionar a afirmação repetida há décadas: no Brasil, o povo faz papel de bobo.

Bufão 

Os princípios da técnica teatral do Bufão são baseados em seres grotescos, banidos e questionadores dos padrões de comportamentos impostos pela sociedade: figuras que há séculos perambulam por reinos, ruas e palcos com o seu visual e discurso destoante do convencional. “A obsessão dos Bufões em brincar com inflexibilidades e certezas, aparentemente inabaláveis, fizeram com que compuséssemos personagens que revelam a poesia existente naquilo que os padrões de comportamento impostos fazem que consideramos feio e menor”, diz ALE.

Para ALE, o mais importante é fazer com que o público perceba humanidade em figuras que parecem puramente grotescas, e, no entanto, defendem de maneira feroz que o humor também pode partir dos marginalizados e excluídos, com o intuito de satirizar quem os oprime.

Sinopse 

Um Bufão invadiu uma galeria de arte, onde montou um karaokê, alicerçado na paródia. Porém, as múltiplas personalidades do Bufão, geradas pelo Transtorno Dissociativo de Identidade, entram em conflito. Essa disputa de personalidades gera uma trama recheada de músicas e esquetes que relembram as anomalias sociais que enfrentamos. Antes e depois do espetáculo, o público terá acesso a “Jokebox”. Nesta máquina, a plateia pode escolher a música ambiente do bar e cantar junto as paródias compostas pelo Bufão.

ALE

Ator e dramaturgo, é formado em publicidade. Já trabalhou em rádio e teatro. Escreveu e protagonizou o espetáculo Us Filho da Guta, encenado no Teatro Bibi Ferreira, com direção de Zaqueu Machado. Insatisfeito com a abordagem cômica de seus projetos anteriores, que faziam uso de anedotas e personagens numa aproximação de tempos passados, desde 2017 ALE está imerso no estudo da desconstrução da forma do Bufão, na pesquisa de um olhar contemporâneo da Bufonaria. A ideia é não incorrer no capacitismo, unir o palco com as mídias digitais e desenvolver um “Bobo da Corte” que zombe dos “reis” da nossa sociedade, representados por pessoas e instituições poderosas, que oprimem o povo desde tempos imemoriais.

Ficha técnica

  • Texto e atuação: ALE
  • Direção: Marcio de Castro
  • Desenho de luz: Laiza Menegassi
  • Desenho de som: Leandro Simões
  • Cenário, figurino e maquiagem: Rogério Romualdo
  • Preparação corporal: Lucas Vedovoto
  • Paródias: ALE e Breno da Matta
  • Assessoria de Imprensa: canal Aberto – Márcia Marques, Daniele valério e Flávia Fontes
  • Produção: Catarina Milani
  • Fotos e vídeos: Marcelo Machado

Serviço

De 21 de julho a 26 de agosto de 2023

  • Galeria de Arte | Rua Barão de Tatuí, 19, 1º andar, Santa Cecília, São Paulo, SP
  • Lotação: 50 pessoas | Duração: 50 minutos | Gênero: Teatro musical – Karaokê
  • Sextas e sábados, 19h30 (abertura da casa); às 20h30 a apresentação
  • Ingressos: R$ 20,00
  • Na portaria ou via Sympla
  • Recomendação: 16 anos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -
- Publicidade -

Latest News

A importância do marketing inclusivo na indústria de viagens

O marketing inclusivo tornou-se uma peça fundamental na estratégia das empresas que buscam se destacar no mercado atual

More Articles Like This

- Publicidade -